Em nossa vida nos deparamos constantemente com essa frase dita por amigos e familiares sempre que alguma infelicidade nos acontece. Junto a ela, um exemplo de como poderia ter sido pior, caso acontecesse outro infortúnio. Ou a consolação pode vir acompanhada por uma comparação de algum caso que tenha acontecido com alguém conhecido, ou simplesmente que se ouviu falar ou leu-se em algum lugar. Dessa forma o ser humano se consola, se resigna pela comparação de algo que aconteceu com outros de sua espécie ou que simplesmente poderia ser pior.

Assim, quando uma filha cai da bicicleta e quebra o braço, seus pais ouvirão “podia ser pior, podia ter caído e batido com a cabeça.” Ou quando seu filho começa a não estar mais presente em casa por causa de uma paixão avassaladora, podemos ouvir “podia ser pior, ele poderia estar fora de casa por causa das drogas”. Ou quando sua esposa se envolve em um acidente de carro, destrói toda a frente daquele carro novo, você escutará “podia ser pior, não houve machucados”. Ou quando você atropela um motoqueiro, por descuido seu ou dele, e destrói a moto pode ouvir ”podia ser pior, o motoqueiro está vivo e nem se machucou”.

Mas há também as comparações, essas verídicas nos consolam mais. Muito comum nos casos de doenças, quando falamos que um familiar adoeceu, se sentiu mal, foi hospitalizado mas está se recuperando, podemos ouvir “podia ser pior, conheço um vizinho que teve a mesma doença e morreu logo depois.” Ou um amigo que teve câncer e conseguiu vencer depois de muita luta com quimioterapia e radioterapia e apesar de muito fraco, segue a vida, com certeza ouviremos outra história de alguém que teve o mesmo câncer e não conseguiu vencê-lo. Dessa forma ficamos mais calmos e aceitamos nossa situação em comparação com as desgraças piores que as nossas.

Essas comparações são importantes no primeiro momento para nos consolar. Mas todos os problemas, doenças, sofrimentos possuem um significado oculto. Todos possuem valiosos ensinamentos, mensagens para nossa evolução. Se conseguirmos ultrapassar a dor, a raiva e a autopiedade que no primeiro momento tomam conta de nós e enxergarmos o problema com distanciamento, talvez consigamos descobrir o significado dele. Na natureza nada é por acaso.

Parar, relaxar e perguntar intimamente “o que será que isso quer dizer?” “O que posso aprender com isso?” As respostas estão dentro de nós, não precisamos perguntar para mais ninguém, apesar de muitas vezes nossos amigos e familiares nos darem pistas do que precisamos melhorar. As doenças, por exemplo, geralmente são alertas, avisos de que algo está errado em nosso caminho. Que estamos nos desviando de nosso propósito e assim enfraquecendo nosso corpo e nossa alma.

Aproveitemos ao máximo nossos problemas, são eles que realmente nos farão crescer, evoluir em todos os sentidos, tanto em termos emocionais, espirituais e profissionais. A raiva, o ódio e a autopiedade não levam a lugar algum, pelo contrário, apenas pioram a situação, não permitindo um raciocínio claro. Na maioria das vezes, somos nós mesmos que causamos as dores e as infelicidades.

Nossa vida é uma eterna aprendizagem, nada é por acaso. Saibamos aprender com os erros e com os problemas.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *